11 março 2004

Porque me lembrei

Transcrevo aqui o que me levou a aderir à "Associação dos Radicais pela Ética", uma brincadeira a sério e da qual me lembrei e que foi retirada daqui. Aqui vai:

Simplicidade e Bom Senso
Os signatários propõem-se cumprir o seguinte:

Princípios éticos mínimos para um convívio saudável entre primatas, ou regras básicas para nos
distinguirmos de símios, invertebrados e outros bichos:

1. Ser tratado com consideração, urbanidade e dignidade são direitos naturais e básicos dos cidadãos, independentemente do seu sexo, raça, credo, afiliação política, idade, opções clubísticas, posição social e nível de habilitações literárias, os quais os devem desenvolver, cultivar, defender e praticar;
2. Honrar a palavra, cumprir compromissos, acordos, contratos ou prazos, respeitar as leis razoáveis, os direitos e dignidade de terceiros, o ambiente natural são actividades normalíssimas e sem mérito especial por parte de quem as pratica;
3. Produzir produtos e ideias que funcionem, que salvaguardem a saúde e a integridade de quem os utiliza, prestar serviços de qualidade, com transparência e clareza são actos sociais sem nada de notável;
4. Aceitar prendas, luvas, subornos, ou compensações pelas situações anteriores constitui um acto indigno e revoltante, e solicitá-las constitui um dos actos mais baixos que nos remete para um valor abaixo de parasita intestinal;
5. Não assediar, pressionar, chantagear, oprimir estagiárias (os), secretárias (os), internos, praticantes, tirocinantes, alunos (as) ou quaisquer outros sobre quem se possui autoridade hierárquica ou funcional é de decência mínima;
6. Utilizar o sexo como mecanismo de progressão na carreira, ou como forma de obter ou conceder favores é uma prática incompreensível e que remete os que nela se envolvem para o patamar de dignidade muito abaixo do bacilo de Koch;
7. Não virar a cara em face de cunhas, feudos, compadrios, injustiças, nepotismos, discriminações intoleráveis, negligências e falta de profissionalismo, é um acto louvável;
8. Não aceitar a promoção de imbecis porque são afilhados de poderes fáticos, económicos ou outros é uma medida de higiene mental tão básica como lavar os dentes;
9. Sonegar informação é um acto de mediocridade que caracteriza quem o pratica;
10. Achar que toda a gente faz qualquer coisa de negligente, de ilegal, de laxista, de trafulhice, ou explorar lacunas das normas, como argumento para justificar o facto de praticar actos dessa natureza é um argumento miserável;
11. Não atribuir a terceiros a culpa por situações que resultam da nossa actuação intencional e livre é um acto de saúde pública essencial;
12. Não nos apropriarmos de méritos alheios é uma regra básica de convivência entre pessoas;
13. A exposição e denúncia pública de violações graves dos princípios anteriores constitui-se num dever de cada cidadão que queira preservar um nível adequado de saúde mental;
14. Ficar em silêncio perante a violação dos princípios anteriores é um acto de cobardia, de cumplicidade e de encobrimento. Ficar em silêncio perante o silêncio de outros, que resulte de medo razoável perante possíveis e admissíveis consequências das suas acções de denúncia é particularmente incompreensível;
15. O exercício da liberdade de expressão e de opinião, através do uso de ironia, sátira, caricatura ou da articulação séria são os modos preferenciais de denúncia dos comportamentos de violação dos princípios expostos;
16. Basicamente somos seres humanos imperfeitos, frágeis, simplórios e é de bondade elementar sermos tolerantes uns com os outros, não nos oferecendo para exemplos e faróis é uma atitude de bom senso, e digna, mas requerer aos outros comportamentos morais exemplares, ao contrário do que nós próprios exibimos, é uma intolerável estupidez;
17. Obviamente não está em questão a "construção" de nenhuma sociedade perfeita com seres assépticos e imaculados. A preguiça, por exemplo, pode ser uma virtude temporária, uma terapia, desde que aquele ou aquela que a pratiquem não exija dos outros aquilo que não exige de si;
18. Este mundo um pouquinho melhor deve ser para hoje e para amanhã. O seu adiamento para gerações futuras resultará em desnecessário sofrimento humano desde ontem.
19. Não se pretende com isto construir mais um muro das lamentações. A ideia é, pelo contrário, contribuir para a sua demolição
.

Como o mundo seria melhor!